Sem salário, sem férias, sem descanso: Como tucanos querem oficializar a escravidão no campo

02/05/2017:
Passada a aprovação da reforma trabalhista, agora os deputados discutem a alteração das leis para o trabalhador rural.

Projeto prevê que salário possa ser substituído por remuneração de “qualquer espécie”, como casa ou comida, que jornada diária seja aumentada para 12 horas e que possa se trabalhar até 18 dias seguidos, sem descanso semanal.

Por Redação

Depois da aprovação da reforma trabalhista – que é avaliada por especialista como um “desmonte” da CLT – deputados federais discutem agora a reforma das leis trabalhistas no âmbito rural. Para não criar ainda mais resistência com a reforma, o relator, Rogério Marinho (PSDB-RN), deixou de fora do projeto recém-aprovado as 192 mudanças reivindicadas pela bancada ruralista. Agora, a reforma trabalhista no âmbito rural será discutida em um outro projeto, de autoria do deputado Nilson Leitão (PSDB-MT), líder da bancada ruralista.

O texto do projeto de Leitão praticamente oficializa a escravidão no campo no país. Pela proposta, o salário do trabalhador rural poderá ser substituído por remuneração de “qualquer espécie”, como água e moradia. A mudança afetaria ainda a jornada de trabalho, que poderá ser, caso a proposta seja aprovada, de até 12 horas diárias. Como se não bastasse, o texto retira ainda o repouso semanal e prevê até 18 dias de trabalho seguidos, sem descanso. Para completar, estaria ainda autorizada a venda integral das férias.

“Existe um preconceito muito grande da Justiça do Trabalho com o trabalhador rural”, disse Leitão.

O texto que altera as leis para o trabalhador rural deve começar a ser discutido na Câmara ainda esta semana.

Fonte: http://www.revistaforum.com.br/2017/05/02/sem-salario-sem-ferias-sem-descanso-como-tucanos-querem-oficializar-a-escravidao-no-campo/

[ Voltar ]